12/28/2009


MUDANÇA

Esta é a altura que mais sugere mudança. Mudar parece ser a palavra de ordem. Mudar para melhor, obviamente. Parece que toda a gente quer mudar, desejando transformar ideias e comportamentos negativos em energias positivas. Mas o ser está constantemente em mudança, mesmo que não se aperceba. Ninguém é o mesmo, de momento para momento, só a memória identifica o indivíduo, embora a transformação seja lenta, tal como o ponteiro dos segundos nos relógios do tempo que, por mais que estejamos com atenção, não conseguimos ver a sua marcha. A nível de células acontece o mesmo. Elas estão permanentemente a transformar o ser, mas quem está a vê-lo, de forma assídua, não se apercebe dessa transformação.
Mas não é propriamente destas mutações que a minha pena quer escrever, mas sim sobre a mudança do ser e do meio que o envolve. Nesta base, veja-se a quantidade de argumentos que são apresentados, quer em livros, quer em palestras, em cursos e nos diferentes meios de comunicação. Mas a mudança, embora necessária, acarreta riscos. São os casais e os desentendimentos, as famílias, os empregos e desempregos e em tudo o que achamos que mudar para melhor nos pode trazer a felicidade.

“ Mudam-se os tempos, mudam-se as vontades,
Muda-se o ser, muda-se a confiança;
Todo o mundo é composto de mudança
Tomando sempre novas qualidades.” – Luís de Camões.

Confúcio acha que, quem pretenda felicidade e sabedoria constantes, deverá habituar-se a mudanças frequentes e, Heraclito diz que o Sol renova-se todos dias, não deixando por isso de ser eternamente novo.
Nada é permanente, excepto a mudança.
Não podes banhar-te duas vezes no mesmo rio, pois novas águas correm sobre ti.
Tudo flui, nada permanece, conclui!

Os que se consideram desfavorecidos lutam para mudarem de vida, para terem outras condições, de forma a se sentirem iguais aos que estão bem e, os iguais lutam para superarem aos que estão em condições semelhantes.
Quando operamos mudanças dentro de nós, igualmente elas surgem no exterior, como as que se operam no exterior nos transformam e nos indiciam caminhos de mudança. Sem mudança não existe progresso, mas aquilo a que chamamos progresso também nos pode levar a regredir, fazendo-nos passar por situações de estagnação e desespero, por não termos ou não sabermos gerir esse progresso ou pelo choque que nos pode causar.
A certeza porém, é que ninguém muda ninguém, mas pode-nos influenciar numa qualquer mudança. Também existem coisas boas e coisas más que estão adormecidas dentro do indivíduo e que podem despertar ao fim de muitos anos. A renovação é tida como um dos maiores prazeres, havendo quem diga que se trata do verdadeiro progresso. Nada perece no Universo, mas isso não significa que as coisas não se transformem. A transformação é uma lei imutável e, na sua caminhada progressiva provoca a renovação e evidentemente a mudança. A mudança é, não só necessária como obrigatória. É uma norma da natureza, com condicionantes cósmicas. Sendo também verdade que não se muda quando se quer nem como se quer. Mudar o quadro mental das coisas, é pelo menos uma tentativa. No mínimo, escreva e concentre-se naquilo que se propõe mudar, visualize e sinta que dentro de si está a fonte dessa mudança. Tenha sempre algo forte como modelo ou como objectivo e deixe que o milagre aconteça!

11/30/2009

CRISE


COISAS COM CRISE

Quando o sono não nos leva para uma completa reciclagem e a vontade de estar desperto nos favorece a corrente de pensamentos, apetece ficar à espera de mensagens de uma qualquer galáxia que nos indique um caminho que nos leve a novas descobertas ou a soluções para resolução do que temos ainda para solucionar. Talvez seja uma ideia errada procuramos na noite o que o dia não se disponibiliza a dar mas, por outro lado, sentido a paz e a tranquilidade que a parte nocturna nos transmite, não seremos tão atacados pelo lixo tão poluente de conversas e observações que nos acompanham um pouco por toda o lado que, mais coisa menos coisa, vai ter sempre à questão mais
abordada nos últimos tempos e que em português tem um nome sonante pela negativa, denominado de crise!

Não, não encontrei qualquer solução, pelo menos, por enquanto, não querendo isto dizer que não possa acontecer ainda, porque faltam três horas até que o galo cante. Os galos sempre cantam, anunciando o alvorecer, o que corresponde para muitos ao erguer ou ao despertar para sentirmos de novo ao que os matutinos se referem. Para grande espanto de muitos (pausa para rir), os jornais voltam a falar de crise e seguem-se as rádios, as televisões. Toda esta informação, faz com que as conversas não saem disto e, como tal, o corpo do indivíduo reclama cada vez mais por paz, o que pode encontrar em algumas horas da noite.
É evidente que esta conversa não nos leva a algum lugar e nada, absolutamente nada resolve mas, como bom português que sou (linguagem de político, não a minha), até minimiza os efeitos desta situação, se nos rirmos dela.
Certamente já ouviram os nossos humoristas basearem o seu desempenho, tendo como pano de fundo a crise, os bancários ou os políticos. Tudo isto inspira muitos artistas
e até os poetas, trocam os poemas de amor por poemas que referem a crise. Quer isto dizer, que rir continua a ser o melhor remédio, já que para ela, não me parece que haja solução imediata.

Estas crises, influenciam-nos a tal ponto que, eu próprio, vinha falar sobre a noite e, sem me aperceber, comecei a comentar a crise.
Há, como achei piada saber que o Sr. Presidente da República passa horas por dia a responder a e-mails dos cidadãos. Só para ter uma resposta de Sua Excelência, o presidente deste país, caído num buraco sem fundo, vale a pena ser português. É mais valioso receber um e-mail do que um autógrafo de tão proeminente figura e, daqui a uns anos, até ajuda nesta ou noutra crise, quando forem vendidos em leilões da internet.
Faz-me até lembrar, a quase Santa Lúcia que, pelo que dizem, era viciada nestas tecnologias electrónicas. Será que chegou a enviar algum e-mail às entidades celestiais a pedir para nos aliviar da actual crise?

Desculpem de, volta na volta, estar a falar no mesmo assunto mas, como toda a gente, sou influenciado, consciente ou inconscientemente, por esta virose que, não mais quero referir.
Como os supersticiosos, falar de certas coisas, dá azar e os positivistas que defendem teorias tipo “ O Segredo” acham que podemos desenvolver as leis da atracção e, como tal, tanto podemos atrair o lado bom ou o lado mau das coisas…

Por isso, volto a dizer de forma peremptória, não falo mais na crise!

MUDANÇA

MUDANÇA

Esta é a altura que mais sugere mudança. Mudar parece ser a palavra de ordem. Mudar para melhor, obviamente. Parece que toda a gente quer mudar, desejando transformar ideias e comportamentos negativos em energias positivas. Mas o ser está constantemente em mudança, mesmo que não se aperceba. Ninguém é o mesmo, de momento para momento, só a memória identifica o indivíduo, embora a transformação seja lenta, tal como o ponteiro dos segundos nos relógios do tempo que, por mais que estejamos com atenção, não conseguimos ver a sua marcha. A nível de células acontece o mesmo. Elas estão permanentemente a transformar o ser, mas quem está a vê-lo, de forma assídua, não se apercebe dessa transformação.
Mas não é propriamente destas mutações que a minha pena quer escrever, mas sim sobre a mudança do ser e do meio que o envolve. Nesta base, veja-se a quantidade de argumentos que são apresentados, quer em livros, quer em palestras, em cursos e nos diferentes meios de comunicação. Mas a mudança, embora necessária, acarreta riscos. São os casais e os desentendimentos, as famílias, os empregos e desempregos e em tudo o que achamos que mudar para melhor nos pode trazer a felicidade.

“ Mudam-se os tempos, mudam-se as vontades,
Muda-se o ser, muda-se a confiança;
Todo o mundo é composto de mudança
Tomando sempre novas qualidades.” – Luís de Camões.

Confúcio acha que, quem pretenda felicidade e sabedoria constantes, deverá habituar-se a mudanças frequentes e, Heraclito diz que o Sol renova-se todos dias, não deixando por isso de ser eternamente novo.
Nada é permanente, excepto a mudança.
Não podes banhar-te duas vezes no mesmo rio, pois novas águas correm sobre ti.
Tudo flui, nada permanece, conclui!

Os que se consideram desfavorecidos lutam para mudarem de vida, para terem outras condições, de forma a se sentirem iguais aos que estão bem e, os iguais lutam para superarem aos que estão em condições semelhantes.
Quando operamos mudanças dentro de nós, igualmente elas surgem no exterior, como as que se operam no exterior nos transformam e nos indiciam caminhos de mudança. Sem mudança não existe progresso, mas aquilo a que chamamos progresso também nos pode levar a regredir, fazendo-nos passar por situações de estagnação e desespero, por não termos ou não sabermos gerir esse progresso ou pelo choque que nos pode causar.
A certeza porém, é que ninguém muda ninguém, mas pode-nos influenciar numa qualquer mudança. Também existem coisas boas e coisas más que estão adormecidas dentro do indivíduo e que podem despertar ao fim de muitos anos. A renovação é tida como um dos maiores prazeres, havendo quem diga que se trata do verdadeiro progresso. Nada perece no Universo, mas isso não significa que as coisas não se transformem. A transformação é uma lei imutável e, na sua caminhada progressiva provoca a renovação e evidentemente a mudança. A mudança é, não só necessária como obrigatória. É uma norma da natureza, com condicionantes cósmicas. Sendo também verdade que não se muda quando se quer nem como se quer. Mudar o quadro mental das coisas, é pelo menos uma tentativa. No mínimo, escreva e concentre-se naquilo que se propõe mudar, visualize e sinta que dentro de si está a fonte dessa mudança. Tenha sempre algo forte como modelo ou como objectivo e deixe que o milagre aconteça!

11/19/2009



ILUSIONISMO....PELA DUPLA PROF.HERRERO E ROY...COM ANIMAIS, LEVITAÇÕES ETC...

MAGIA NAS FESTAS DE NATAL

AS FESTAS DE NATAL SURGEM UM POUCO POR TODO PAÍS...PROF.HERRERO É UM DOS ILUSIONISTAS VOCACIONADOS PARA TAIS EVENTOS, QUER PARA CRIANÇAS, QUER PARA ADULTOS, COM A DIVERSIFICAÇÃO DE NÚMEROS QUE APRESENTA, QUER COM UM SHOW ONDE APRESENTA UM BELÍSSIMO NÚMERO COM UMA ARARA, QUER COM MANIPILAÇÃO DE ROLAS, QUER AINDA COM SOBERBAS LEVITAÇÕES....PICKPOKET( CARTEIRISTA DE PALCO)...NUMA SIMBIOSE DE LUZ, COR A MAGIA....

CONTACTOS: TLMS: 917811955 OU 963260090

11/07/2009

31º JANTAR DOS 13 CONTRA O MEDO A SUPERSTIÇÃO E O AGOURO
LUTA CONTRA O CHARLATANISMO
UMA CRIAÇÃO de PROF. HERRERO: ILUSIONISTA, ESCRITOR, PARAPSICÓLOGO, HIPNOTIZADOR E FAQUIR.
Em 13 de Novembro de 2009 – SEXTA-FEIRA 13 – Prof. Herrero organiza a 31º JANTAR DOS 13,evento que atrai seguidores, não só de Portugal mas também de outros países. Considerado uma tradição, o jantar dos 13 é o único evento que se tornou numa verdadeira luta, não só contra a superstição, bruxaria e crenças nocivas que condicionam o ser humano, prejudicando-o no seu bem estar psicológico, físico, económico, como também se tornou na maior luta contra o charlatanismo e falsos iluminados. Como é habitual, os participantes vestem de preto, e sentam-se em mesas de 13, onde os talheres se encontram cruzados, o sal entornado, espelhos partidos e um sem número de objectos e animais (gatos pretos, iguanas gigantes, cobras, mochos) entre outros, ligados ao mundo da superstição, no qual se inclui A BRUXARIA e outras crenças consideradas nefastas para a mente humana.
Num ambiente algo macabro mas também de festa, os convivas passam por baixo de um escadote, seguindo-se a passagem pelo túnel do terror, até entrarem na sala que se encontra rigorosamente decorada, basicamente em negro e com imensos símbolos ligados ao mundo da superstição, como guarda-chuvas abertos, o morto no caixão, etc.
Num ambiente que o nosso imaginário associa às chamadas casas assombradas, encontram-se imensas velas acesas, grandes candelabros e outros adereços considerados pertença do mundo do oculto. O cheiro a incenso e as muitas e enormes teias de aranha, bem como os sons de arrepiar, ora vindos de cânticos gregorianos ora das mais variadas situações gravadas nos arquetípicos do inconsciente colectivo, levam os convivas a entrarem num mundo onde se confrontam com os seus irracionais medos…
PORQUÊ TUDO ISTO?
Porque demonstramos desta maneira que não somos dominados pelo medo daquilo que os supersticiosos receiam e isso, só é possível em situações com num ambiente como este, criado no jantar dos 13.É importante que esta mensagem seja divulgada e repetida pela comunicação social: de que as crenças supersticiosas estão a mais nas vidas das pessoas, para que, cada vez mais gente siga o nosso exemplo.
Nesta edição contaremos com artistas bastantes conceituados.
O delicioso jantar gastronomicamente cuidado, é especialmente “confeccionado” para o efeito:

Pão Bolorento;
Sopa de osgas
Bacalhau dos espíritos errantes
Carne de gato preto com arroz de excrementos do mesmo animal;
Grãos endiabrados; pipis de testículos de bode preto
Camarão do Mar Morto; paté de corvo; feijão ao frade demoníaco
Vinhos: Sangue de Drácula e Mistela de Morcego;
Sobremesas com ranho de lesmas do cemitério
Café das bruxas
ESTA É A 31ª EDIÇÃO DO JANTAR DOS 13,UMA COINCIDÊNCIA QUE NUNCA MAIS SE REPETE (31…13).
. NESTA EDIÇÃO VAMOS QUEIMAR LIVROS DE S.CIPRIANO…PARA PROVARMOS QUE NÃO PASSAM DE LIXO…
VAMOS EXPLICAR A POLÉMICA SOBRE CRISTINO RONALDO E OS BRUXOS
OS CONVIVAS TERÃO OBRIGATOTIAMENTE QUE PASSAR POR BAIXO DE UM ESCADOTE

RESERVAS: TLM: 917811955 OU 963260090…PROF.HERRERO (CRIADOR E ORGANIZADOR)

POR FAVOR REENVIE AOS SEUS AMIGOS………

9/17/2009

8/18/2009

A ILUSÃO DO SABER

“UM HOMEM É SÁBIO QUANDO BUSCA A SABEDORIA E LOUCO QUANDO JULGA TÊ-LA ENCONTRADO”. (P. António Vieira)

A sabedoria não passa de uma ilusão. Procuramos, procuramos, mas quando julgamos que a encontramos, ela foge-nos para mais longe e, se a seguirmos, ela sempre se afasta. Sempre assim foi e sempre assim será…
Mesmo que tenhamos esta consciência não conseguimos parar, nem mudar de atitude. Corremos sempre na esperança de a agarrarmos, de a possuirmos, de desfrutarmos da sua grandiosidade. Esperamos até que nos dê a imortalidade!
De ilusão em ilusão, apenas conseguimos utilizar rasgos de sabedoria…
“O SÁBIO DEVE MANDAR; FAZ-SE CIÊNCIA COM FACTOS, ASSIM COMO SE FAZ UMA CASA COM PEDRAS; MAS UMA ACUMULAÇÃO DE FACTOS NÃO É MAIS CIÊNCIA DO QUE UM MONTE DE PEDRAS É UMA CASA”. (Henri Poincamé)
Contudo, a sabedoria do mal tem as pernas curtas e desloca-se à velocidade do caracol. Qualquer pessoa, por mais ignorante que seja utiliza-a, basta saber falar!
Por seu lado, a sabedoria do bem, embora possa ser utilizada com facilidade, a maior parte foge dela.
O que seria da humanidade, se houvesse um só homem que fosse, que manipulasse a sabedoria na sua plenitude? Seria provavelmente um deus mau, capaz de submeter todos os seres às mais cruéis barbaridades.
Talvez se conclua que é positivo a SABEDORIA não passar de uma quimera.
Vendo as coisas por outro ângulo, o mal não estará na busca ilusória do saber, mas sim na utilização do que se sabe. Os exemplos são mais do que muitos, na história do homem, quando os grandes conhecimentos são utilizados. Os avanços no sentido da destruição têm sido tantos que, comparados com os que procuram debelar os males da humanidade, nem sequer se assemelham.
Continua a fome a matar, a guerra a destruir em várias frentes, as doenças minam sem piedade…
“O homem seria o mais infeliz dos seres se, apenas da necessidade que ele sente de ter uma ilusão, saísse de imediato a realidade correspondente”. (Marquês de Sade)
Como isso não acontece como passo mágico e, se assim fosse, seria uma forma de dominar a sabedoria. Continuamos, desta forma, presos à ilusão do saber e com ela iremos sempre viver.
“O TEU SABER POUCO VALE SE NINUÉM SOUBER QUE TU SABES”. (Pérsio)

“QUANTO MENOS SE SABE MAIS SEGURO SE ESTÁ DE TUDO SABER” (John Cary)
A ilusão do saber, como qualquer outra ilusão, acompanha-nos toda uma vida, todo um percurso. Com ilusão ou sem ilusão, o saber é a bagagem que podemos transportar para qualquer sítio, atravessar qualquer fronteira, levar-nos às discussões, às oratórias, à afirmação. Não importa o que sabemos, nem o que os outros tenham ou não que concordar.
A ilusão do saber existe em qualquer sítio e só a deixamos de sentir quando o nosso cérebro mais nada podendo fazer, nos empurra para a escuridão total e o ser ou o não -ser deixará de ser!

7/18/2009

FERNANDA DE FREITAS COM PROF.HERRERO

FERNANDA DE FREITAS COM PROF.HERRERO E MARIA JOÃO ,NA SIC.




RICARDO- O GRANDE VENCEDOR DE "CHUVA DE ESTRELAS-MEU AMIGO PESSOAL QUE PARTICIPOU MUM DOS JANTARES DOS 13

SENTIMENTOS

SENTIMENTOS

Cada vez mais fala-se de sentimentos e, se assim é, a razão parece ter a ver com a questão do homem estar mais frio ou gelado, como que ausente de amor e amizade. Se habitualmente o ser humano tem um comportamento distante, onde até, mesmo em palavras não consegue exprimir-se, mas que tanta falta faz à humanidade, subir a escalões maiores de amor. As palavras, na maior parte das vezes, não passam disso mesmo, de palavras. Por um lado, o homem reconhece que o egoísmo tem adulterado os sentimentos, e a ganância do ter, faz com que o ser humano troque certos valores humanos por valores tão materialistas que parece convencer-se que até o amor pode adquirir em comprimidos, como de viagra se tratasse. Mas não pode. O verdadeiro amor não se compra nem se vende e, a “farmácia” onde pode adquirir encontra-se dentro dele mesmo. Por outro lado está cada vez mais necessitado, mais carente, não querendo entender que o que procura fora está no seu coração, nas profundezas de si próprio.

“ Uma boa parte dos homens não tem outra vida interior para lá da das suas palavras, e os seus sentimentos reduzem-se a uma existência oral,” – José Ortega y Gasset.

Mas os sentimentos são para serem sentidos, não deviam prestar-se a demagogias, porque estas são apanágio de palavras falsas, que em gíria diz-se “brincar com os sentimentos”. Mas os sentimentos não deviam servir para brincar. É algo que vem das profundezas do ser, que mora em todo corpo, o que equivale a dizer que é o alimento da alma. Sabemos que, quem não está bem emocionalmente, não está bem no relacionamento com os demais. Os sentimentos, são as vozes que se erguem mais alto dentro do indivíduo e que menos são respeitados. O sentimento guia o homem, não tendo, muitas vezes, nada a ver com a razão.

“ Contra os valores afectivos não valem razões, porque as razões não passam de razões, ou seja, nem sequer são verdades.”- Miguel de Unamuno.

O sentimento surge, muitas vezes, como um vírus, tomando conta do indivíduo em várias dimensões, sem que ele tenha controlo. Reduz todas as defesas psicológicas, neurológicas, químicas e vitais, quando o indivíduo encontra-se prisioneiro de tamanha carga, talvez ainda não muito bem explicada a níveis desconhecidos do ser.
Acerca dos sentimentos, muito tem sido escrito, muito tem sido versejado, cantado, sofrido e até morrido. Embora, como disse, seja a parte mais bela do ser, o certo é que também o pode levar a estados de miséria absoluta que numa relação psico-física pode alterar toda uma estrutura, tanto no sentido saudável e positivo, como em relação ao que de pior pode perturbar negativamente o indivíduo.

“ É uma reflexão muito comum, mas talvez por isso a esqueçamos, que as almas sensíveis são cada vez mais raras e as pessoas cultas mais grosseiras.”- Stendhal.

E, de sentimentos, muitos livros foram escritos e muitos livros ainda vão ser editados, embora tudo o que se diga, seja sempre inferior á verdade dos factos…que só a alma conhece…

Mas, entre hipótese e conjecturas, deixemos o coração falar, ele saberá as razões que a própria razão nunca saberá explicar….

6/29/2009

IDEIAS BRILHANTES

IDEIAS BRILHANTES

Naquele dia sentia necessidade de resolver uma certa situação, a que vou chamar problema. Tinha que inventar uma ideia, mas talvez a ansiedade e o desejo servissem mais para baralhar pensamentos do que conseguir soluções. À noite, antes de adormecer, os músculos afrouxaram e adormeci pensando, de forma calma e tranquila, como quem pede ajuda aos deuses da mente para, enquanto dormia, trabalharem no mesmo projecto e resolverem o enigma. O certo é que, na manhã seguinte, acordei consciente de que tinha alcançado a resposta!
Este acontecimento repetiu-se noutras ocasiões e, reparando na história dos homens que alcançaram a notoriedade por grandes descobertas, importantes para a humanidade, ficamos a saber que, quase todas, estão associadas a episódios bem interessantes que levam a dividir opiniões. Há quem diga que nada existe por acaso e aqueles que dizem que a maior parte das invenções têm sido fruto do acaso. O certo é que se conhecem histórias de ideias luminosas que surgem nos mais diferentes sítios. Há quem as tenha na casa de banho, no autocarro, na confusão do trânsito, durante o visionamento de um filme e até durante um espectáculo. Sherlock Holmes conseguiu resolver os casos com maior grau de dificuldade ao som de grandes orquestras, quando assistia a concertos. Poincaré resolveu um problema matemático quando subia para um autocarro, Einstein, talvez o mais completo sábio de todos os tempos, confessava que as ideias mais espantosas surgiam quando se barbeava. Newton, por sua vez, chegou à conclusão sobre a lei da gravidade, depois de observar a queda de uma maçã e Kepler, só para referir alguns, descobriu as leis do movimento dos planetas depois de sentir “uma claridade que apelidou de fantástica”
Pode dizer-se que muitas das ideias luminosas levam um certo tempo adormecidas, “estado latente ou de incubação”. Necessitamos de 65 pequenas ideias para que surja uma grande ideia,
A rotina diária é inimiga das novas ideias. Elas surgem geralmente em lugares novos para os indivíduos que apresentam alguma coisa de novo. É como quem diz, os estímulos que se repetem cansam, e os novos dão naturalmente razões para surgirem ideias brilhantes.
Também há quem, ao ser limitado numa questão física ou mesmo psicológica, desenvolva, de forma compensatória, capacidades que o conduzem a actos excepcionais. Shumann só começou a compor música depois de ficar com um dedo paralisado e, entre outros, sabemos que Júlio Iglésias só se dedicou à brilhante carreira, conhecida por todos, depois de um gravíssimo acidente.
Há quem pense que já está tudo inventado e o que acontece de novo, não mais é do que o resultado de pequenos toques que a tecnologia que paralelamente vai avançando proporciona.
Mas há quem pense que tudo está inventado, não mexendo uma palha para inventar seja o que for. Inovar, ou dar mais uns toques, não deixa de ser o percurso para o avanço das coisas e obviamente que os pequenos avanços proporcionam coisas novas. É como quem diz “de grão a grão enche a galinha o papo”.
Vítor Hugo diz que resistimos à invasão dos exércitos mas não resistimos à invasão das ideias. Enquanto que Fréderic Aniel diz que quem faz o que os outros acham difícil de realizar, é talento: fazer o que é impossível ao talento, é génio.
Quer o indivíduo seja um génio ou um talentoso, o certo é que existem milhares de células e quadros mentais inconscientes que nunca foram verdadeiramente utilizados. O acreditar de que se é capaz, é o primeiro grande passo para chegar às metas desejadas. Quem se acomoda nas ideias dos outros, nunca reconhecerá as suas próprias ideias. No génio e no autor existem fragmentos de loucura. O mundo avança, no bom e no mau sentido, com indivíduos tidos como loucos. Foram eles que mudaram o rumo da história, dos conceitos, dos padrões sociais, psicológicos, físicos e até emocionais.
Talvez seja loucura cada pessoa sentir-se um pequeno deus, mas talvez, também haja loucura naqueles que se julgam coisa alguma.
Cabe a cada um de nós encontrar uma fórmula pessoal para que as ideias luminosas possam surgir. Ninguém deve convencer-se que só os outros é que têm capacidade para criar alguma coisa. Contudo, algo pode ser aconselhado a todos. Tenham sempre à mão um pequeno bloco e uma caneta para, quando alguma coisa surgir na mente como novo, ser de imediato anotado, mesmo que pareça tratar-se de algo sem importância ou de loucura.
Não se iniba de ter ideias e de as pôr em prática. Desta forma alguma coisa tende a mudar em si e quem sabe, se um dia qualquer é reconhecido como génio?

PROF.HERRERO

BENTO ALGARVIO COM PROF.HERRERO


BENTO ALGARVIO COM PROF.HERRERO.É UMA HONRA SER AMIGO DESTE CAMPEÃO DE BOXE....COM VÁRIOS TÍTULOS A NÍVEL MUNDIAL

6/07/2009

MENTE

COISAS DA MENTE

Falar da mente, é falarmos de um mundo, ainda desconhecido. Através da mente, os pensamentos materializam-se, quer no bom ou no mau sentido. Nesse mundo, acontecem as mais complicadas funções, na maior parte das vezes, atribuídas ao que está fora, quando acontecem dentro do próprio indivíduo.

Pensar, todos os homens pensam, desde que estejam vivos, mas a qualidade dos pensamentos, tem a ver, essencialmente, com a educação. Mas, também é verdade, que acontecem coisas que o pensamento consciente não tem qualquer consciência do que se passa noutras áreas da mente, a que podemos chamar de zonas inconscientes. Essas áreas, são as menos entendidas, podendo provocar fenomenologias que muitos apelidam de sobrenaturais.

“Se os outros pudessem ouvir os nossos pensamentos, poucos de nós não seriam considerados loucos.” – Jacinto Benavente.

Apesar, da possibilidade de ler o pensamento, ser uma realidade científica, o certo é que seria catastrófico se, pudéssemos utilizar essa capacidade quando nos apetecesse. Sabermos o que os outros estão a pensar de nós, podia tornar-se na maior arma anti-social. Ainda bem que não desenvolvemos essa particularidade, mas aquilo que pensamos manifesta-se através de expressões, essencialmente físicas, podendo igualmente ser decifradas, através de um processo de leitura, não do pensamento, mas daquilo que os músculos, pele, e outros elementos, informam aos que conseguem decifrar esses códigos de leitura extra-sensorial...acontecendo essencialmente entre mãe e filha, ou entre quem tem uma grande afinidade. A esta possibilidade, chama-se, na linguagem paranormal, de hiperestesia indirecta….

O olhar da “alma” faz-nos reflectir; os mais estúpidos dizem que “pensavam” que sim e a inteligência, de pouco vale, a quem nada mais tem para se fazer valer.

“ Não há nada que esteja distribuído mais equitativamente do que a razão: todos estão convencidos de a terem em quantidade suficiente.”- René Descartes.

A mente, é a parte subjectiva do ser, reproduzindo as suas funções, conhecidas e desconhecidas, a partir do cérebro, o que tem motivado as mais díspares hipóteses e conjecturas. O certo, para não entrarmos em situações psicológicas, neurológicas e até filosóficas, para não falar também do pensamento mágico e religioso, a mente só funciona, desde que o cérebro esteja vivo, ou seja o próprio ser…

Para não penetrarmos demasiado nesse mundo, ainda oculto, das coisas mentais, a questão de sermos seres pensantes, faz de nós pequenos deuses mas depois de sucumbirmos a todas actividades cerebrais, nada somos, ou se somos, não passamos de pó, o que fere o orgulho do próprio homem, que tudo inventa para se tornar imortal…

Através do pensamento, podemos voar. Ter o que se deseja, sonhar e entrar no mundo das coisas belas, do ser e do não ser, no tudo e o nada daquilo que conseguimos imaginar. Termino, fazendo minhas, as palavras de Félix Lopo de Veiga: “ Com uma coisa me contento: Que mesmo que possam tirar-me a esperança, não me podem tirar o pensamento”.

5/29/2009

À PROCURA DE NÓS

À PROCURA DE NÓS



Quando sentimos uma crise dentro de nós, significa que algo se movimenta e que está em mudança. Quando nos referimos a crise, transmitimos sempre uma carga negativa na nossa apreciação, quer em relação a nós mesmos quer em relação à política ou mesmo em relação à economia.
Não me parece que as coisas em si sejam negativas, dependem sempre da nossa apreciação, o mesmo acontecendo em relação a nós mesmos. Somos aquilo que achamos que somos. Apelidarmos de crise certos acontecimentos é ouvirmos um sinal, em forma de alarme, para que haja uma transformação ou mudança, principalmente quando vivemos uma vida que não se ajusta ao que a nossa identidade necessita. Quando o nosso caminho, aquele que decidimos trilhar não nos convence a nossa identidade fica ressentida.
É necessário olharmos para a vida sem a complicarmos. Se existe uma qualquer realidade que faz parte de nós, temos que nos adaptar a essa realidade mas de maneira que seja de acordo com o nosso gosto.
Se sonhamos demasiado sem passarmos à acção e falamos em metas sem as cumprirmos, pouco ou nada conseguimos daquilo que desejamos. Recebemos em troca uma mão cheia de infelicidade.

CONSELHOS

Para uma identidade própria, sem crises, cada pessoa deve mudar a percepção da sua auto - imagem. Quando a auto – imagem é negativa influencia variadíssimos aspectos da vida.
A auto – estima desenvolve-se mais quando procuramos descobrir que temos muita gente que nos valoriza e nos quer bem. Uma baixa auto – estima leva-nos a sentir como que abandonados ou excluídos.
EVITAR PERDER O RUMO – Apesar de nos podermos programar mentalmente, traçando um destino para a nossa vida, o que se torna mesmo necessário é termos as metas bem definidas, os objectivos bem delineados, para que nos façam perceber que não estamos perdidos e que temos domínio sobre nós mesmos.
Para nos encontrarmos também temos que sentir que somos responsáveis. Contudo, uma das maneiras para sentirmos a nossa personalidade fortalecida, isto é, a nossa própria identidade, é pertencermos a um grupo.
Em todas as circunstâncias devemos evitar ter comportamento de adolescente. Nestas idades, a confusão domina o indivíduo, levando-o a concluir que não sabe quem é nem o que vai ser. Daí o desejo de se identificar com um grupo. Veste-se, fala, comporta-se e pensa de igual maneira, tal como os demais, aqueles que compõe o “clã”.
Há quem, para sair da crise de identidade se refugie no trabalho, o que, segundo opinião dos psicólogos é uma péssima opção. Igualmente existe quem viva só para ele, porque tem imensa dificuldade em viver para o meio que o rodeia. Há quem perca praticamente a identidade por se tornar dependente do parceiro (dependência afectiva).
A vida é uma contínua movimentação no sentido de fechar e abrir etapas. Este facto pode levar-nos a uma consciência maior sobre nós mesmos. O adulto, compreendendo o leque de possibilidades que o envolve reconhece que, a cada passo, é possível mudar adoptando novas cores.
Identificar uma crise normativa (que é normal) e conseguir superá-la é um grande passo para que não aconteçam coisas mais complicadas.
Sem que seja uma obsessão, devemos procurar fora das crises, rasgos da nossa verdadeira identidade. Procurarmos saber quem somos é um direito que nos assiste. Só saímos fortalecidos quando vencemos as adversidades. Desta forma, ficamos com as energias renovadas e com a sensação que estamos mais fortes concluindo-se assim, de que também as crises são necessárias.

5/19/2009

BRUXARIA



SERÁ QUE EXISTEM PESSOAS QUE CONSEGUEM FAZER BRUXARIA?
PERGUNTO-ME COMO...?



5/15/2009

OSCAR QUEVEDO COM PROF.HERRERO

OSCAR QUEVEDO, PADRE JEZUÍTA, É CONSIDERADO O MAIOR PARAPSICÓLOGO DO MUNDO.DIRECTOR DO CLAP (CENTRO LATINO-AMERICANO DE PARAPSICOLOGIA), NO BRASIL, É TAMBÉM AUTOR DE VÁRIAS OBRAS QUE CONSTITUEM A BÍBLIA DA PARAPSICOLOGIA ACADÉMICA!

BEM HAJA PADRE!

5/12/2009

MORTE


A MORTE

Se, na verdade, ao morrermos, tivéssemos a opção de vivermos sem corpo, certamente que havia muita gente que não se importava de viver sem ele. Não gastávamos dinheiro em comida, não tínhamos que nos preocupar com a subida cavalgante dos combustíveis, nem com a última moda, nem telemóveis, Internet e, tantas outras coisas que fazem parte das necessidades do ser humano…

Pela ordem natural das coisas, o homem nasce sem dentes, sem cabelo e sem ilusões e morre da mesma forma. O humorista Woody Allen diz não ter medo de morrer, não quer é se encontrar lá quando perecer. Mas, se é verdade que ninguém pode assistir ao seu próprio funeral, a verdade também, é que todos têm que ser recebidos pela morte, algo temível e inevitável, o que, por isso mesmo, não devíamos estranhar.

Pedro Caldéron de la Barca, deixou-nos esta quadra: Vem morte, tão escondida/ Que não te sinta vir/ Porque o prazer de morrer/ Não me volta a dar a vida.

Se fossemos eternos, as religiões deixavam de ter sentido, nem talvez tivéssemos respeito pela vida, (a nossa e das outros), já que, mesmo assim, poucos a respeitam…
Mas tudo é ao contrário, somos frágeis e perecíveis e, como tal, precisamos de crenças que nos dêem uma certa tranquilidade e segurança, mesmo que, para os outros, possa parecer absurdo.

“ O homem é como a espuma do mar, que flutua à superfície da água e se desvanece quando sopra o vento, como se nunca tivesse existido. Assim a morte arrebata as nossas vidas” – Khalil Gbron.

A morte é cantada pelos poetas, motivo para artistas, como pintores e escultores, o lirismo na sua máxima expressão…e sempre foi e será, o resultado das grandes contendas e das grandes batalhas e o ponto final de cada vida…!!!!
Mas, para a maior parte das pessoas, a morte não é o fim, mas o princípio de uma qualquer existência numa outra dimensão. Essa perspectiva daria ao homem a possibilidade da existência de uma vida eterna, mas porque o homem já a tem, não vejo necessidade de egoisticamente a desejar. E tem, porque cada ser que nasce, é a continuidade da quem parte. Nesta sucessão sucessiva de vida, leva-nos a dizer que o homem é eterno, não como ser individual, mas colectivo, unido infinitamente pelas mãos daquilo que forma o eterno…
Apesar de André Malraux dizer que há uma fraternidade que só se encontra no outro lado da morte, considera também que a morte não é assim tão importante nem grave; a dor sim. A morte, diz ele, só tem importância, na medida em que nos faz pensar na vida.
E continua: não chegam nove meses, são precisos cinquenta anos para fazer um homem. Cinquenta anos de sacrifício, de vontade, de tantas coisas! E quando esse homem está feito, quando já não resta da infância, da adolescência, quando se é verdadeiramente um homem, não serve para nada mais, senão morrer.
Mas serve naquilo que deixa. Todos fazem alguma coisa para a eternidade. Todos deixam tijolos para que outros possam dar continuidade à construção do edifício da vida, com conhecimentos, obras e soluções. O homem é eterno, mas mortal, o homem é
forte, imponente, mas não passa de um monte de areia ou de pó, ou até cinza, mas que se move porque transporta vida…como qualquer animal…

5/06/2009

CAMINHOS CRUZADOS

CAMINHOS CRUZADOS

Nas encruzilhadas da vida, procuramos o caminho, como inventores de destinos, viajantes de malas aviadas, sem bússolas e sem rumo, peregrinos do tudo e do nada, que nunca sabemos para onde vamos, mesmo quando apontamos numa direcção…
Podemos não ser donos do nosso destino, mas também não somos donos dos caminhos, nem são as estrelas que nos ditam o que há-de vir ou para onde ir…
Acreditarmos que já temos o destino traçado, é como atravessarmos uma rua movimentada sem nos preocuparmos quantos carros nos vão passar por cima, porque um controlador de destinos, ligado aos “iluminados” das estrelas, sabe a altura certa para sermos atropelados.

Se acreditarmos nuns e consultarmos os outros, temos a certeza de que podemos atravessar qualquer rua, por mais movimentada que seja, mesmo de olhos fechados, sem corrermos qualquer risco… (???)

Juan de Alarcon diz que do Céu é a inclinação/O sim e o não são meus/ Que o fado no arbítrio/ não tem jurisdição.

Há quem acredite que temos o destino traçado, como há quem acredite que somos nós a traçá-lo. Se estivermos virados para o racional, sem demagogias nem certezas, não devemos estar preocupados com isso. Quem quer que tenha razão, devemos agir como se fôssemos nós a escolhê-lo, porque para além de nos dar maior segurança, sempre evitamos ser influenciados por aqueles que anunciam saber o que nos vai acontecer… o nosso destino!
Platão achava que só os espíritos fracos precisavam de destino, Shakespeare, por seu lado, considerava ser o destino a baralhar as cartas, mas que seríamos nós a fazermos o jogo, enquanto que Lin Yutang diz-nos que o destino dos homens é governado pelas suas acções passadas e presentes.

Com tantas sentenças, há quem não saiba o que fazer. Chamamos destino a tudo o que achamos que não controlamos, que foge ao nosso poder. Mas existem destinos que toda a gente sabe que não podemos fugir. Entre eles, está a morte, esse o destino certo a que ninguém pode fugir. Cada comportamento leva a um resultado, a um destino, mas num campo de tantas dúvidas, de caminhos cruzados, o melhor mesmo é seguirmos o caminho, aquele que cada um procura percorrer e, quando um caminho não nos leva aos objectivos desejados, devemos escolher outro. Devemos dar mais atenção aos nossos objectivos do que andarmos à procura do destino. Perdemos tempo em coisas fúteis e inúteis, parecendo ser, esse sim, o destino de muita gente.
“ Se sabes que nada podes fazer contra o teu destino, porque te provoca tanta ansiedade a incerteza do amanhã? Se não fores tolo goza o momento presente” – Omar Khyyam.
Este é o momento que sabemos que estamos a viver, este é o nosso momento e, cada momento é um momento que devemos fazer tudo para sentirmos a alegria da vida, com tudo o que de belo ela encerra. Sabemos que, no seu percurso, encontramos caminhos cruzados onde, não sabemos por onde ir, mas também encontramos pontes e atalhos e passagens para uma qualquer outra margem… muito por onde escolher e passar sem termos que nos render às forças que regem o que chamamos destino, quer ou não exista.
Por minha parte, quero aceitar que cada vida constrói o seu destino e mesmo isso pouco me importa. Este é momento que destinei para ti….

FAKIRISMO DE PROF.HERRERO

AS MINHAS PRIMEIAS DEMOSTRAÇÕES PÚBLICAS FORAM RELACIONADAS COM FAQUIRISMO.APRENDI TÉCNICAS MUITOS ÚTEIS, DESTA ARTE, COM UM MÉDICO INDIANO CHAMADO PRAGJI.

EM MOÇAMBIQUE, DEPOIS DE 1974, AS MINHAS ACTUÇÕES FIZERAM AS DELÍCIAS DOS MOÇAMBICANOS...
EM LISBOA ESTIVE DURANTE UM MÊS NO COLISEU DOS RECREIS.

DEPOIS DE UM PERÍODO MAIS MORNO NESTA ÁREA, VOLTEI EM FORÇA AO HERMAN 98 (R.T.P 1)
ÊXITO ABSOLUTO ONDE EXIBI A LEVITAÇÃO DE UMA CADELINHA CANICHE (SISSI) E O SOBERMO NÚMERO DS TESOUTA (DE TRINCHAR FRANGOS) POR UMA DAS NARINAS E A LIMPEZA DAS FOSSAS NASAIS.

APESAR DE APRESENTAR MUITO RARAMENTE ESTE NÚMERO, CONTNUA PRONTO PARA QUEM O SOLICITAR.

DAVID COPERFIELD COM CARTAS

Truco magia David Coperfield

FÁTIMA LOPES COM PROF.HERRERO

NÃO CREIO QUE SEJA MELHOR ARTISTA NEM NAS OUTRAS ÁREAS QUE DESENVOLVO, POR TER TIDO O APOIO DOS "MEDIA", MAS CERTAMENTE QUE É UM RECONHECIMENTO QUE VALORIZA QUEM ESTÁ NA VIDA PÚBLICA. EM RELAÇÃO À FÁTIMA LOPES, CONSIDERO-A DO MELHOR QUE EXISTE EM TELEVISÃO. AS VÁRIAS VEZES QUE FUI ENTREVISTADO POR ESTA GRANDE SENHORA, DESDE HÁ 11 ANOS, TEM SIDO DE UMA GRANDE NOBREZA.

OBRIGADO FÁTIMA E PARABÉNS PELA TUA EXCELENTE CARREIRA!

PROF.HERRERO

PERSONALIDADE DO ALGARVE I997 (AIRA)

5/04/2009

ASPECTO DA SALA DE UM JANTAR DOS

CHUVA QUE CAI




CHUVA QUE LIMPA

A chuva que cai, mesmo que de forma suave, cumpre a sua missão e tem tanta beleza como qualquer primavera. É um aborrecimento, diz o sentir de muita gente, como algo indesejável, mas como é óbvio é um bem e não um mal. Quando o mundo se vir privado desta preciosidade, não será um aborrecimento, mas o fim da vida na terra. Isto é claro, não é nada de novo, mas para quê dizer coisas novas, quando os conceitos antigos têm de ser vistos à luz dos nossos dias e, são essas visões, apelidadas de novas que, adaptadas às novas formas de vida nos dão perspectivas diferentes de agir…
Não sei se será mais aborrecido, não termos aborrecimentos do que os ter. O Homem, esse eterno insatisfeito, aborrece-se com quase tudo, para não dizer com tudo. Se está calor é porque está calor, se chove é porque está desagradável. Se não chove ou se não está sol, também está aborrecido, o mesmo acontece nas diferentes áreas do viver. Certamente, aquilo que o homem desejava, era poder ir ao hipermercado e comprar o que desejava sentir e ter. Se dessa maneira tivesse esta solução, agiria mais ou menos assim: “ quero dois litros de chuva, cinco embalagens de sol, sortido de amor, um milhão de euros em pequenos sacos e, certamente cada um enchia carrinhos do tudo e do nada, conforme fosse o freguês”.

Mas como temos tudo dado pelos céus, excepto “a massa” de marca euros, não podemos deixar estragar a mãe natureza, essa sim é o maior hipermercado do universo, não perdoando as maldades que lhe fazem… virando-se cada vez mais para os agressores, que, no fundo, somos todos nós.

A chuva limpa a sujidade em geral e, simbolicamente falando, limpa também os nossos aborrecimentos, as nossas ansiedades e as nossas amarguras, basta sentirmos como ela tem força de apagar os incêndios das nossas almas, o ódio que nos corre nas veias, limpando também as profundezas das nossas consciências.

“ O homem superior gosta de ser lento em palavras, mas rápido em obras” – Confúcio.

Bom seria que a chuva limpasse as doenças que, cada vez mais, arrastam tanta gente a viagens sem regresso, como seria igualmente importante que a chuva tivesse a força de limpar mentalidades, essas bem poluídas por venenos que exterminam montanhas de inocentes que, são levados nas enxurradas das tempestades da guerra, porque a água, mesmo água, não chega tão profundo.

Valoriza-se o lago de água transparente, mas pragueja-se a tempestade, outrora atribuída à ira dos deuses; milhões de pessoas em todo o mundo, fazem enormes distâncias, para banhar-se nas ondas de qualquer mar como nesse mar não existissem as águas das tempestades…

Esses que amaldiçoam o que a natureza dá, são os mesmos que renegam as estrelas, com medo de se encandearem com o seu brilho ou que elas lhes caiam em cima. A água é a nossa vida, a deusa que nos limpa e nos dá o que se pode chamar tudo, como nos pode tirar tudo, principalmente quando a natureza fica enraivecida.

“ Homem que só bebe água, tem um segredo a esconder aos seus semelhantes” – Charles Bau

5/01/2009

O QUE PROCURAMOS?




O QUE PROCURAMOS?

Se esta pergunta for feita, a maioria responde coisas do tipo, saúde, dinheiro e amor ou, resumindo tudo isto em felicidade. É o que todos procuramos, a felicidade. Mas falarmos de felicidade, estaremos a falar de algo vago. É evidente que, individualmente, cada um diria que busca o que mais necessita. Quem se julga com saúde, já não a procura, porque a tem, quem tem poder económico, procurar o que já tem, também não faz sentido e quem se considera amado, também não sente grande necessidade em procurar o que faz parte dessa estabilidade emocional. Procuramos mais o que não temos ou que não existe para nós.
António Machado, referindo-se a não sei o quê, diz-nos poeticamente: “ procuro-te por todo o lado/ sem nunca te encontrar/ e em todo o lado te encontro/ só por te procurar.”.
Contudo, todos procuramos alguma coisa e, seja o que for que procuremos, na base fundamental de tal busca, está o prazer, o que nos pode fazer dirigir o texto para este sentido, o do prazer. O prazer, tem vários caminhos ou variantes para ser atingido. Um faminto busca o prazer de saciar a fome, o doente procura o prazer de superar a enfermidade e quem considera que tem tudo, geralmente procura o prazer de ter mais e mais. Platão diz-nos, talvez de forma unilateral, que o prazer é o isco do mal, mas Epicuro, como que a emendar o que disse Platão, contesta-o de certa forma, com a seguinte frase: “ o prazer não é um mal em si, mas certos prazeres trazem mais dor do que felicidade”.
Contudo, Blaise Pascal, de uma maneira mais coerente, refere; “ o homem nasceu para o prazer: ele sente-o, não sendo preciso mais provas, ele segue pois a razão, entregando-se ao prazer e, o Corão, em jeito de aviso diz: “ embriagai-vos de prazeres; desfrutá-lo-eis pouco, porque estais abandonados à iniquidade”.
Mas como é óbvio, quando se fala de prazer, parece entrarmos numa linha recta em direcção à questão sexual quando é um dos prazeres e não sinónimo de prazer. Isso em sim mesmo, nunca pode ser sinónimo de iniquidade, como outros prazeres também não o é. Dependerá do patamar a que chegamos. O sexo, parece ser dos actos mais benéficos, tanto para o físico como para a mente, tal como o vinho e outros produtos mas, evidentemente que os excessos, não podem trazer benefícios. Louis Bourdalque acerca da sensualidade diz que é: “ a desordem da impureza no homem tem excessos que a sensualidade dos próprios animais não conhece”.
Talvez o senhor Bourdalque, em vez de sensualidade, quisesse dizer sexualidade, que não pode ser a mesma coisa. Mas se falamos se excessos, teremos também de falar de abstinência. Existem sempre duas margens num rio. Não sei quais das duas partes é mais aberrante. Podemos falar em opções e outras coisas mais, mas certamente serão mais do que isso. Quem exagera tem razões e quem se abstém também as tem, mas não vejo qualquer razão de se comparar neste caso a sensualidade dos homens com os animais. Entre os homens, já sabemos mais ou menos como acontece, mas entre os animais deve ser diferente. Por alguma razão o homem sente atracção sexual durante todo o ano, enquanto os animais só a sentem em determinadas alturas, agora se existe sensualidade entre os outros animais desconheço. Nunca percebi se a escolha da cadela, em relação aos cães, para eleger o macho desejado, tem haver com estética ou com piropos, mas isso também não é importante!
Agora o homem deve buscar o lugar de prazer, porque desta maneira, sentirá a vida ser mais bela, pois que, quando se movimenta com conforto, a busca desse lugar é sempre em função do seu bem-estar. Se é a praia, a floresta, a igreja, ou que quer que seja que procura e o faz sentir-se atraído, procura sempre o prazer.

JANTAR DOS 13

4/28/2009

ACÇÃO

PASSEMOS À ACÇÃO

Quantas coisas desejamos fazer que não fazemos, quantas ideias povoam a nossa mente que não as pomos em prática e, num interminável mundo de teorias, culpamos os outros quando a decisão nos pertence. Pensar nunca é fazer e, como tal, dificilmente fazemos algo sem ser pensado. Temos que passar à acção, estruturando ideias e pensamentos de forma a atingirmos o nosso objectivo. A nossa meta a atingir.
Jean-jacques Rousseau diz que o homem não foi feito para meditar mas para agir.
A verdade é que a maior parte compra livros de positivismo, de mudança mas, na prática nada faz para mudar.
Quem pensa em comer um bife e nada faz para o levar à boca, a carne nunca chegará ao estômago. – Prof.Herrero.
Temos que passar à prática, temos que vencer a inércia, pegando na força de vontade e a utilizarmos em nosso proveito. Temos que acreditar nas nossas possibilidades, na força que existe dentro de nós, mas que muitas vezes se encontra adormecida. Mais prática do que teoria, porque ninguém sabe o que conseguirá fazer sem tentar. Sabemos que o mundo é bastante fértil em obstáculos, mas caberá a cada um de nós ultrapassá-los
ou a contorná-los. Em vez de vermos as coisas pelo lado do negativo, o tal não consigo, o não posso ou o não é possível, nada melhor do que passarmos à acção, procurarmos a experiência e com determinação tocarmos a meta.

“ Quando tivermos descoberto as leis que regem a vida, percebemos que o homem de acção tem mais ilusões do que o sonhador,” – Óscar Wilde.

Quem consegue alcançar os seus propósitos, transforma ilusões em coisas concretas.
É o que se pode chamar as suas obras. Se os outros conseguem, nós também podemos conseguir. Temos imensas possibilidades que não aproveitamos, que só esperam as nossas ordens para entrarem em acção. Tomemos alguém como modelo. Estudemos a sua forma de agir, de estar na vida e, se fizermos um percurso idêntico ao que tomamos como modelo, certamente conseguiremos resultados semelhantes.

William Shakespeare diz que o sábio não se senta a lamentar-se, mas empenha-se alegremente na tarefa de reparar o dano. Em tudo o que fazemos somos mais ardorosos no esforço do que no usufruto.

Sem tentarmos nunca sabemos do que somos capazes de fazer, é preferível aumentar a acção e diminuir os projectos, pois muitos ficarão na gaveta. As obras são avaliadas não por aquilo que se diz capaz de fazer, mas por aquilo que se faz.
Não se esqueça o quanto é importante pensar-se no que nos propomos fazer, mas aquilo a que chamamos de realidade inicia-se na acção.

Rudyard Kipling argumenta: “ Se pedires a um homem mais do que o que ele pode fazer, ele fá-lo-á. Se pedires só o que ele consegue fazer não fará nada.”

Escreva os seus projectos imediatos e também aqueles que quer realizar a médio e a longo prazo, mas não os misture. Comece por aquele que considera mais importante, mas passe à acção, não se fique só pelo pensar e, se achar que há risco, não se esqueça que o mundo tem evoluído com aqueles que arriscam!

HIPNOTISMO



O MEU "CURSO COMPLETO DE HIPNOTISMO", ENSINA TUDO O QUE SE RELACIONA COM O HIPNOTISMO. EM 4 VOLUMES TUDO É EXPLICADO AO PORMENOR.ESTÁ VOCACIONADO PARA TODAS AS PESSOAS. TANTO ENSINA A HIPNOSE DE PALCO COMO A QUE É UTILIZADA PARA FINS TERAPÊUTICOS. BASTA SEGUIR AS LIÇÕES, PRATICAR ALGUNS EXERCÍCIOS, PARA QUE O ALUNO SE TORNE NUM HÁBIK HIPNOTIZADOR OU HIPNÓLOGO. A MINHA PRÁTICA NESTA ÀREA COMEÇOU HÁ MAIS DE 30 ANOS.
QUER SABER MAIS, PEÇA-ME EXPLICAÇÕES!

LUCAS O MEU NETO


LUCAS RAFAEL CAMPOS CORREIA, O MEU NETO. É NELE QUE DEPOSITO A MINHA ESPERANÇA DE SEGUIR ALGUNA PASSOS DA MINHA CARREIRA. SEI QUE, ENTRE OUTRAS COISAS, ADORA MAGIA E JÁ VAI BRINCANDO COM OS TRUQUES!
A MINHA MAIOR MAGIA É ELE!
A 15 DE MAIO DE 2009 FAZ O SEU QUINTO ANIVERSÁRIO!

4/26/2009

ESPIRITISMO MÁGICO

A CABINE ESPÍRITA É, TALVEZ DOS NÚMEROS MAIS DESCONCERTANTES. AQUI PODE VER-SE PROF. HERRERO E ROSY E UM ESPECTADOR, A PROTAGNIZAREM UMA CENA DESTE SOBERMO NÚMERO. ROSY É MANIETADA PELOS ESPECTADORES E COM AS MÃOS BEM ATADAS E PREGADAS A UMA CADEIRA. OS ESPÍRITOS APARECEM DENTRO DA CABINE E EXECUTAM AS CENAS MAIS INCRIVEIS E HILARIANTES,
EIS MAIS UMA DEMONSTRAÇÃO DAQUELE QUE FOI CONSIDERADO O MÁGICO MAIS VERSÁTIL DO MUNDO.

CRISE

Quando o sono não nos leva para uma completa reciclagem e a vontade de estar desperto nos favorece a corrente de pensamentos, apetece ficar à espera de mensagens de uma qualquer galáxia que nos indique um caminho que nos leve a novas descobertas ou a soluções para resolução do que temos ainda para solucionar. Talvez seja uma ideia errada procuramos na noite o que o dia não se disponibiliza a dar mas, por outro lado, sentido a paz e a tranquilidade que a parte nocturna nos transmite, não seremos tão atacados pelo lixo tão poluente de conversas e observações que nos acompanham um pouco por toda o lado que, mais coisa menos coisa, vai ter sempre à questão mais
abordada nos últimos tempos e que em português tem um nome sonante pela negativa, denominado de crise!

Não, não encontrei qualquer solução, pelo menos, por enquanto, não querendo isto dizer que não possa acontecer ainda, porque faltam três horas até que o galo cante. Os galos sempre cantam, anunciando o alvorecer, o que corresponde para muitos ao erguer ou ao despertar para sentirmos de novo ao que os matutinos se referem. Para grande espanto de muitos (pausa para rir), os jornais voltam a falar de crise e seguem-se as rádios, as televisões. Toda esta informação, faz com que as conversas não saem disto e, como tal, o corpo do indivíduo reclama cada vez mais por paz, o que pode encontrar em algumas horas da noite.
É evidente que esta conversa não nos leva a algum lugar e nada, absolutamente nada resolve mas, como bom português que sou (linguagem de político, não a minha), até minimiza os efeitos desta situação, se nos rirmos dela.
Certamente já ouviram os nossos humoristas basearem o seu desempenho, tendo como pano de fundo a crise, os bancários ou os políticos. Tudo isto inspira muitos artistas
e até os poetas, trocam os poemas de amor por poemas que referem a crise. Quer isto dizer, que rir continua a ser o melhor remédio, já que para ela, não me parece que haja solução imediata.

Estas crises, influenciam-nos a tal ponto que, eu próprio, vinha falar sobre a noite e, sem me aperceber, comecei a comentar a crise.
Há, como achei piada saber que o Sr. Presidente da República passa horas por dia a responder a e-mails dos cidadãos. Só para ter uma resposta de Sua Excelência, o presidente deste país, caído num buraco sem fundo, vale a pena ser português. É mais valioso receber um e-mail do que um autógrafo de tão proeminente figura e, daqui a uns anos, até ajuda nesta ou noutra crise, quando forem vendidos em leilões da internet.
Faz-me até lembrar, a quase Santa Lúcia que, pelo que dizem, era viciada nestas tecnologias electrónicas. Será que chegou a enviar algum e-mail às entidades celestiais a pedir para nos aliviar da actual crise?

Desculpem de, volta na volta, estar a falar no mesmo assunto mas, como toda a gente, sou influenciado, consciente ou inconscientemente, por esta virose que, não mais quero referir.
Como os supersticiosos, falar de certas coisas, dá azar e os positivistas que defendem teorias tipo “ O Segredo” acham que podemos desenvolver as leis da atracção e, como tal, tanto podemos atrair o lado bom ou o lado mau das coisas…

Por isso, volto a dizer de forma peremptória, não falo mais na crise!

4/24/2009

LUÍSA CASTELO BRANCO C/ PROF,HERRERO

MAIS UMA GRANDE SENHORA QUE TIVE O GRATO PRAZER DE CONHECER EM TELEVISÃO. MUITO DIRECTA, PORTADORA DE UMA ENERGIA INVULGAR, INTELIGENTE E CONHECEDORA DO LUGAR QUE DESEMPENHAVA...
PARABÉNS LUÍSA!
CERTAMENTE QUE CONVIDADOS E PÚBLICO EM GERAL TÊM SAUDADES DE A VER E DE SENTIREM AS VIBRAÇÕES QUE TRANSMITIA...

HERMAN JOSÉ C/ PROF.HERRERO

FOI CERTAMENTE UM DOS MAIORES DESAFIOS, SER CONVIDADO DE HERMAN JOSÉ.A PRIMEIRA VEZ, NO "HERMAN 98" AINDA NA R.T.P. 1, O PROGRAMA FOI GRAVADO NO TEATRO S. LUÍS E TEVE UM IMPACTO ENORME JUNTO DOS TELE-ESPECTADORES, TENDO MAIS TARDE, O PRÓPRIO HERMAN AFIRMADO QUE EU TINHA PARADO O PAÍS COM " A LIMPEZA DAS FOSSAS NASAIS". FUI MAIS DOZE VEZES AO "HERMAN SIC", O QUE PREFEZ EXACTAMENTE 13 PROGRAMAS,ENTREVISTADO POR ESTE " SENHOR TELEVISÃO". OBRIGADO HERMAN!

POLÍTICOS

POLÍTICOS


Nem vou falar bem nem mal dos políticos, simplesmente estava-me a rir daquela máxima de Kikita Kruschev, que diz serem os políticos todos iguais. Prometem construir uma ponte mesmo num sítio onde não há rio.
Pois é. Acho uma boa definição. Há grande “Grândola vila morena”, que cada vez está mais pequena!

Mas a verdade, é que, se ninguém acredita nos políticos porque vão sempre votar? Às vezes (muitas vezes), nos mesmos exemplares!
Pois, é a mentalidade clubista que faz prevalecer o voto do nada, ou de coisa nenhuma. Mas cumprir é a sina dos que nada conseguem mudar. Somos os tais que pagam e calam, para não haver mais confusões. Outra risada (hahahah). É que Francesc Pi I Margall, obrigou-me a pôr ainda mais bem disposto: “ As convicções políticas são como a virgindade: uma vez perdidas nunca mais se recuperam”. É evidente que o Sr. Francesc nem conhecia Ciociolina nem as possibilidades das cirurgias plásticas. È que a medicina consegue remendar coisas perdidas. Que o diga a ex-senhora deputada italiana. Esqueci-me que ela também já andou nos meandros da política activa. Mas é louvável a decisão que tomou antes de casar: ir virgem para o casamento. Uma boa lição para os muitos políticos, quando mudam de partido, é só fazerem uma plástica e ficam virgens de ideias e ideais para as novas (velhas funções).

Hoje é mesmo para nos divertirmos. O Sir Winstom Churchill, considera que o político deve ser capaz de prever o que vai acontecer no dia seguinte, no mês seguinte e no ano seguinte e de explicar depois porque não aconteceu.
É de recomendar aos políticos que frequentem escolas de bruxos, de cartomantes, de tarólogos e outras, para desenvolverem as capacidades de vidência. Como podemos ver nesta frase de Churchill, é mesmo de aconselhar.
Este mesmo Sir, diz-nos ainda que a política é quase tão emocionante como a guerra e não menos perigosa. Na guerra podemos morrer uma vez, em política muitas vezes. Talvez tenha sido a partir deste pressuposto que nasceu a teoria, convicção ou doutrina, reencarnacionista.

William Shakespeare, de uma forma ainda mais metafórica diz que, quando sãos dois a montar um cavalo, um tem de ir atrás. Depois acrescenta, “ Mestre, quero saber como vivem os peixes no mar.” «Como os homens na terra: Os grandes comem os pequenos.»

A verdade é que nos rimos, mas eles, imunes a gargalhadas do povo, vão enchendo os mealheiros e cantarolando aquela canção com risos amarelos: “ quem ri no fim ri melhor, quem ri no fim ri melhor, quem ri no fim ri melhor…” em forma de refrão académico, mas também esquecem-se que podem não ser os últimos a rir!
Podemos ser os cântaros, mas também podemos ser as pedras. Talmudo diz que: se a pedra cai em cima do cântaro, infeliz cântaro! Se o cântaro cai sobre a pedra, infeliz cântaro! Aconteça o que acontecer, é sempre o cântaro que sofre.
Mas a história está cheia de situações em que a pedra não quebrou o cântaro!

4/22/2009

JÚLIA PINHEIRO


PROF.HERRERO COM A GRANDE SENHORA DA TELEVISÃO PORTUGUESA, JÚLIA PINHEIRO. DOS VÁRIOS PROGRAMAS DE TV QUE TIVE O PRAZER DE SER CONVIDADO E SER ENTREVISTADO PELA JÚLIA, MARCOU-ME IMENSO "OS GREGOS E TROIANOS", EM DIRECTO DA CASA DO ARTISTA ATRAVÉS DA R.T.P. 1.
BEM HAJAS JÚLIA PELAS "TARDES DE JÚLIA", AGORA NA T.V.I.
prof.herrero@hotmail.com

4/21/2009

DUAS ALMAS

TER DUAS ALMAS

Não é para arranjar qualquer confusão. Nada disso. Quem pode dizer que tem duas almas? Quem assim pode afirmar é quem, de verdade, tem um amigo. A amizade, é a parte mais nobre do ser humano, contudo, não se poderá dizer que tudo é assim linear. A sociedade, na qual estamos inseridos, rotula-nos pelas amizades que temos. Se somos amigos de um ladrão, somos tidos como tal, se entre as nossas amizades estão homossexuais, corremos também o risco de nos julgarem dessa forma e, estas coisas, estão tão enraizadas nas mentalidades do ser que raramente fugimos a estes preconceitos. Mas a amizade não pode escolher opções do ser e do estar, porque acontece entre pessoas, por vezes, completamente diferentes. Tudo se diz acerca da amizade e, certamente não terminará aqui. José Echegaray diz: não há amigo de amigo, não há familiares nem família, nem tão pouco irmãos, quando há ambição pelo meio. Esta análise, leva-nos a suspeitar que a ambição é inimiga da amizade. Outra vez os jogos de interesses, do dinheiro, do poder e de outros venenos que contribuem para apodrecer a realidade mais bela do ser. O amigo diz, convicto, fica, em vez de vai. Quando um assume ar de superioridade, a amizade perde-se, porque ela dura quando entre amigos existe a consciência de igualdade e não de seres superiores. Nunca se deverá ridicularizar a quem chamamos amigo. Não devemos esquecer que é mais fácil encontramos alguém que se apaixone por nós, do que um verdadeiro amigo, porque, como diz Jean de Bruyère, o amor nasce subitamente, por temperamento ou fraqueza, quando um traço de beleza nos desperta e nos prende. A amizade, pelo contrário, constrói-se pouco a pouco, com o tempo, na prática, por um longo convívio.

Contudo, da amizade, pode nascer um grande amor mas, ao contrário, é mais difícil. O amor transforma-se mais facilmente em ódio do que em amizade. Os amigos são, o que se pode dizer, escolhidos por nós, ao contrário da família que, podemos dizer foi fruto do acaso. Os amigos, quando deles precisamos, aparecem sem os chamarmos, como que recebessem por vias extra-sensoriais informações do cosmos. Dos falsos amigos nem é bom falarmos, razão que levou alguém a dizer que um falso amigo é pior do um inimigo. Penso que sim. Afinal de contas, ao consideramos alguém como verdadeiro amigo, não supomos que nos traia, ou que, nas nossas costas, tenha um comportamento de maldade. Em relação ao inimigo, já sabemos com o que podemos contar, pelo que não nos vai chocar…porque de inimigos tudo podemos esperar.

“ A amizade é uma associação formada entre as pessoas que professam mutuamente um carinho mais forte do que o resto dos homens.”-Barão de Holbach.

Às vezes dizemos a um amigo o que nunca diríamos a outras pessoas, até aquilo que ele não gostaria de ouvir mas, a forma como o fazemos é diferente e, também a maneira de entender é igualmente nobre, por saber que um amigo verdadeiro nunca diria coisas para o aborrecer ou para o deixar ficar mal.
Se nos zangamos e não perdoamos, então é porque a amizade não tinha a grande expressão que geralmente lhe atribuímos….
A amizade verdadeira, não pode ficar abalada por ofensas ingénuas ou superficiais e, como tal, temos também o direito de reconhecer o que perturba a outra parte, porque o estado de espírito nem sempre é o mesmo e, o nosso amigo pode não estar a passar por um momento muito agradável…
Seja como for, quem tem um amigo, tem duas almas e, certamente, ambas contribuem para o bem-estar de ambos.

CAMA DE PREGOS



NA MINHA VERTENTE DE FAQUIR, TENHO FEITO COISAS SURPREENDENTES (S/TRUQUE). ESTA IMAGEM MOSTRA COMO POSSO SUPORTAS A TÉ 500 KG EM CIMA DO MEU CORPO. ATRAVÉS DE AUTO-HIPNOSE. ENTRO NUM DOS ESTADOS PROFUNDOS DE HIPNOSE, DENOMINADO CATALÉPSIA. DESTA FORMA O MEU CORPO FICA BEM RÍGIDO, EVITANDO QUE OS PREGOS ENTREM NA MASSA MUSCULAR. ESTA TÉCNICA INSERE-SE TAMBÉM NAS POSSIBILIDADES DE YOGA (HATA-YOGA)

4/20/2009

S.CIPRIANO

S. CIPRIANO


Já ouviram falar do livro de S.Cipriano?
É um livro terrífico para muita gente, principalmente para a superstição e para a ignorância. Mas que livro é esse que foi proibido pela censura salazarista e tem feito um “álibi” para os que se julgam bruxos?
Certo, amigo leitor, aqui deixo a minha opinião. O livro em si, não passa de uma treta medieval, mas como o medieval é um estado de espírito, nos tempos que correm ainda existe conceitos e crenças dessa “sui generis” literatura.
Há quem acredite que, quem possuir este “maldito” livro, atrai todos os géneros de agouros e de sofrimentos.
Racionalmente, sem haver necessidade de puxar dos galões do conhecimento, pergunto a quem quiser responder, como é possível alguém acreditar que um simples livro, ainda por cima com conteúdo que, só é interessante para quem faz da pobreza de espírito a sua melhor parte mental? É evidente que um livro, seja ele qual for, como uma flor, uma cor, uma medalha ou outra coisa qualquer, podem servir de âncora ou de símbolo, tanto no sentido do bem como do mal. Neste caso, estou a referir-me ao livro de S. Cipriano como o símbolo do mal que, em sentido oposto, a Bíblia Sagrada, pode ser o símbolo do bem. Agora, como é evidente, a Bíblia não salva ninguém, como o livro de S.Cipriano não arrasta ninguém para a desgraça. As crenças em que salvam ou atraem para o mal ou para o bem. Quem acredita que a Bíblia atrai positivismo, faz com que o electroíman mental atraia coisas positivas e quem acredita que um livro, tipo S.Cipriano, atrai ou provoca negativismo faz com que o mesmo electroíman mental atraia coisas negativas. Portanto, não são os livros ou coisas congéneres que provocam alguma coisa de bom ou de mal, mas sim o que a mente aceita como verdade.
Imagine-se que, os chamados bruxos, dizem aos que os procuram, que o culpado de toda uma família, em vários graus, ter doenças e azares na vida, é porque um deles é possuidor desse “ terrífico” livro. Deviam explicar também, porque razão as pessoas que têm muitas Bíblias, igualmente têm muitos problemas?
Por curiosidade, digo-vos que, a primeira edição do livro referido chegou a Portugal, há mais de 30 anos, venderam-se milhões, o que é um contra-senso para um país maioritariamente cristão, tendo como título “ Antigo Livro de São Cipriano – o verdadeiro capa de aço”, sendo o seu autor N.A, Molina.

Numa curiosa advertência inicial diz: “ Este livro, extraído dos antigos manuscritos de São Cipriano, não deve ser emprestado ou mostrado a ninguém, nem sequer ao amigo mais íntimo nem ao parente mais próximo. Contudo nada o impede de aconselhar a adquirir um exemplar do mesmo, pois é este de uso pessoal”.

Isto em que é uma forma boa de marketing, uma “bruxaria” que deve ter dado bons resultados!

LUÍS DE MATOS COM PROF.HERRERO

LUÍS DE MATOS COM PROF.HERRERO. ESTE É MAIS UM BILHTE POSTAL QUE DEMONSTRA BEM O RELACIONAMENTO QUE TENHO COM A MAIOR PARTE DOS QUE ILUSTRAM O NOSSO MEIO ARTÍSTICO, DE FORMA DIGNA E EXEMPLAR.
LUÍS DE MATOS, A QUEM VI BRILHAR PELA PRIMEIRA VEZ NO CASINO DA FIGUEIRA DA FOZ, AO GANHAR O PRÉMIO REVELAÇÃO, ATRIBUIDO AOS MAIS JOVENS,NUM DOS FESTIVAIS MÁGICOS DA FIGUEIRA DA FOZ, ESTÁ DE PARABÉNS PELA FORMA COMO TEM GERIDO A SUA CARREIRA.
NO ANO SEGUINTE FOI UM ALUNO MEU, DAMIÃO, A GANHAR ESSE MESMO PRÉMIO!

PROF.HERRERO ( 20/04/ 2009

4/19/2009

QUEM É O PROF.HERRERO? (2)


PARA CONTACTAR COM PROF.HERRERO- PARA ESPECTÁCULOS, CONFERÊNCIAS, LIVROS PUBLICADOS OU A PUBLICAR (10), JANTARES DE SEXTA-FEIRA 13, HIPNOTISMO, PARAPSICOLOGIA E O QUE SE DENOMINA DE OCULTISMO, REGRESSÕES HIPNÓTICAS, CURSO COMPLETO DE HIPNOTISMO /4 VOLUNES/ CRÓNICAS NO "JORNAL BARLAVENTO", ETC UTILIZE O CONTACTO DE E-MAIL: prof.herrero@hotmail.com
faculta-se o nº de tlm a quem o solicitar!

EGOISMO

EGOISMO

O egoísmo não deve ser confundido com auto-estima ou amor-próprio, por ser aquilo que pode ser uma paixão incontrolada sobre o próprio indivíduo.
Alfred Adler diz que, todo aquele que não se interessa pelos seus semelhantes é quem tem maiores dificuldades na vida e causa as maiores feridas aos outros. Desses indivíduos nascem todos os fracassos humanos.

Cada vez mais, o mundo em que vivemos é habitado por um maior número de egoístas, que mais não fazem do que sugar o “sangue” das suas vítimas, quais vampiros à solta, sempre prontos a atacar. Estão em toda a parte e, pior do que os desejos vampíricos, que surgem na calada da noite, os egoístas atacam em qualquer situação, mesmo em condições diurnas. Em vez de afectos criam interesses e nem sequer permitem que os outros falem deles mesmos, porque são eles, depois eles e, a seguir continuam a ser eles. Chamfort diz que o egoísta é capaz de dar fogo à casa do vizinho, só para fritar dois ovos e, Thomas Fuller, diz que quem se ama a si mesmo, ama uma pessoa má.

Embora possa haver várias formas para explicar o egoísmo, todas convergem num ponto só. As pessoas agem sempre em função dos seus próprios interesses. Apesar de culpabilizarmos muitos dos problemas resultante do egoísmo, que cada vez mais escurece a vida em sociedade, o certo também é que o egoísta procura, de certa maneira, ser feliz, afinal é o que toda a gente procura, embora no egoísmo, possa haver a componente de pouco ou nada se importar com os outros para serem atingidos os seus fins.

O egoísmo tem exercido uma enorme influência nas ciências ditas sociais, como tem igualmente influenciado as pessoas, consideradas comuns. O pai que não dá a mesada ao filho, por recear que este esteja metido na droga, é apelidado de egoísta. Igualmente, aquele que é considerado altruísta, pode não passar de um egoísta disfarçado, podendo utilizar o fazer bem aos outros para atingir os seus interesses egoístas.

O egoísmo psicológico, dentro da teoria da motivação, refere que todos os nossos desejos últimos, segundo Elliott Sober, se referem a nós mesmos. Querendo isto dizer que, ao querermos bem ou mal aos outros, é só de forma instrumental. A preocupação que temos em relação aos outros, mais não é do que aquilo que projectamos em relação a nós mesmos. Isto é, queremos que os outros estejam bem, porque acreditamos que dessa forma, também estaremos bem. Assim, os chamados desejos últimos, tanto podem ser egoístas como altruístas.
Seja como for, o egoísta desenvolve problemáticas sociais e torna a vida em sociedade ainda mais difícil.
Deixemo-nos de teorias e de análises. Se não fosse esse egoísmo generalizado, certamente que o mundo estaria muito melhor, talvez até não se falasse em crise ou crises. A complexidade do ser humano levou-o a fixar determinada problemática que não o afecta sozinho, porque ninguém está só.

Como diz Arthur Schopenhauer. O egoísmo inspira tal horror, que inventamos a cortesia para o ocultarmos, mas ele atravessa todos véus e transparece em qualquer encontro.

A MINHA HOMENAGEM A CAMACHO COSTA


AO LONGO DA MINHA CARREIRA, TENHO CONHECIDO PESSOAS MUITO INTERESSANTES. RECORDO COM SAUDADE O HOMEM QUE ENCANTAVA O PAÍS COM O SEU HUMOR MUITO PRÓPRIO, CAMACHO COSTA, TENHO PRAZER EM TER SIDO SEU CONVIDADO NA SIC!
SÃOS PESSOAS COMO ELE QUE FICAM NOS NOSSOS CORAÇÕES E IMORTALIZADAS NOS CÉUS DA AMIZADE.

4/18/2009

QUEM É O PROF.HERRERO?


É EVIDENTE QUE, DURANTE ANOS OUVI E VI ESCRITAS IMENSAS ASNEIRAS, QUE DARIA PARA ESCREVER O LIVRO MAIS VOLUMOSO. MAS NÃO É ISSO QUE IREI FAZER, PORQUE ENTENDO AQUELES QUE IGNORAM...
POR ISSO MESMO VOU EXPÔR AQUI, O QUE SE PODERÁ DIZER, ALGUMAS CORRECÇÕES.
ESTA NOTÍCIA REFERE-SE A UMA ARTE, QUE EU DESENVOLVO, DENOMINADA "PICKPOKET", OU SEJA "LADRÃO DE ESPECTÁCULO". É EVIDENTE QUE A VERDADEIRA TRADUÇÃO DO INGLÊS REFERE-SE AO "TIRAR DO BOLSO"....OU SIMPLESMENTE CARTEIRISTA!
POR ALGUMA RAZÃO SOU DOS ÚNICOS DO MUNDO... QUE APRESENTA EM PALCO ESTA POSSIBILDADE.
PROF.HERRERO

4/17/2009

MUDANÇA

MUDANÇA

Esta é a altura que mais sugere mudança. Mudar parece ser a palavra de ordem. Mudar para melhor, obviamente. Parece que toda a gente quer mudar, desejando transformar ideias e comportamentos negativos em energias positivas. Mas o ser está constantemente em mudança, mesmo que não se aperceba. Ninguém é o mesmo, de momento para momento, só a memória identifica o indivíduo, embora a transformação seja lenta, tal como o ponteiro dos segundos nos relógios do tempo que, por mais que estejamos com atenção, não conseguimos ver a sua marcha. A nível de células acontece o mesmo. Elas estão permanentemente a transformar o ser, mas quem está a vê-lo, de forma assídua, não se apercebe dessa transformação.
Mas não é propriamente destas mutações que a minha pena quer escrever, mas sim sobre a mudança do ser e do meio que o envolve. Nesta base, veja-se a quantidade de argumentos que são apresentados, quer em livros, quer em palestras, em cursos e nos diferentes meios de comunicação. Mas a mudança, embora necessária, acarreta riscos. São os casais e os desentendimentos, as famílias, os empregos e desempregos e em tudo o que achamos que mudar para melhor nos pode trazer a felicidade.

“ Mudam-se os tempos, mudam-se as vontades,
Muda-se o ser, muda-se a confiança;
Todo o mundo é composto de mudança
Tomando sempre novas qualidades.” – Luís de Camões.

Confúcio acha que, quem pretenda felicidade e sabedoria constantes, deverá habituar-se a mudanças frequentes e, Heraclito diz que o Sol renova-se todos dias, não deixando por isso de ser eternamente novo.
Nada é permanente, excepto a mudança.
Não podes banhar-te duas vezes no mesmo rio, pois novas águas correm sobre ti.
Tudo flui, nada permanece, conclui!

Os que se consideram desfavorecidos lutam para mudarem de vida, para terem outras condições, de forma a se sentirem iguais aos que estão bem e, os iguais lutam para superarem aos que estão em condições semelhantes.
Quando operamos mudanças dentro de nós, igualmente elas surgem no exterior, como as que se operam no exterior nos transformam e nos indiciam caminhos de mudança. Sem mudança não existe progresso, mas aquilo a que chamamos progresso também nos pode levar a regredir, fazendo-nos passar por situações de estagnação e desespero, por não termos ou não sabermos gerir esse progresso ou pelo choque que nos pode causar.
A certeza porém, é que ninguém muda ninguém, mas pode-nos influenciar numa qualquer mudança. Também existem coisas boas e coisas más que estão adormecidas dentro do indivíduo e que podem despertar ao fim de muitos anos. A renovação é tida como um dos maiores prazeres, havendo quem diga que se trata do verdadeiro progresso. Nada perece no Universo, mas isso não significa que as coisas não se transformem. A transformação é uma lei imutável e, na sua caminhada progressiva provoca a renovação e evidentemente a mudança. A mudança é, não só necessária como obrigatória. É uma norma da natureza, com condicionantes cósmicas. Sendo também verdade que não se muda quando se quer nem como se quer. Mudar o quadro mental das coisas, é pelo menos uma tentativa. No mínimo, escreva e concentre-se naquilo que se propõe mudar, visualize e sinta que dentro de si está a fonte dessa mudança. Tenha sempre algo forte como modelo ou como objectivo e deixe que o milagre aconteça!

OS EMPREGADOS DO RESTAURANTE "PONTE ROMANA" EM SILVES


CENÁRIO DO JANTAR DOS 13


ILUSTRES CONVIVAS NO JANTAR DOS 13


TURISMO



APESAR DE SER DETENTOR DE VÁRIOS PRÉMIOS, ENTRE ELES, ALGUNS DE " PERSONALIDADE DO ALGARVE", COMO O ATRIBUIDO PELA A.I.R.A. E DE TER SIDO QUEM LANÇOU A ANIMAÇÃO, EM TERMOS TURISTICOS HOTELEIROS, OS SENHORES QUE GEREM OS HOTÉIS ALGARVIOS, EM NOME DE UMA CRISE QUALQUER, ESQUECEM-SE DOS ARTISTAS COMO EU, QUE FIZERAM DAS TRIPAS, CORAÇÃO, PARA COMPENSAR COM ARTE O QUE O ALGARVE NÃO TINHA PARA DAR...

AO SABOR DO VENTO

AO SABOR DO VENTO

Tinha terminado de saborear a “biquinha matinal” quando um conhecido se abeirou a cumprimentar-me. Conversa puxa conversa, o que me levou a perguntar-lhe o que fazia agora em termos profissionais, ao que me respondeu que estava desempregado. Com ele vinham mais dois amigos. A mesma questão foi colocada ao segundo, que me disse ser ajudante do primeiro. Fiquei esclarecido, mas não me impediu de perguntar ao terceiro o que fazia na vida. Pois, disse-me o homem, como eles estão ocupados, eu não faço nada!
Melhor não podia ser esclarecido…
Depois, sozinho no meu estar e sentir, questionei-me sobre o que se diz por aí, que a crise começará a desaparecer a partir de 2011. Pois, pensei eu, como é possível, isto dar a volta com a maior parte a fazer como fazem estes amigos?
Depois cheguei a casa e lá estava o nosso amigo Obama a dizer que prevê que mais bancos possam falir. Fiquei a saber que o novo dono do mundo também é vidente. Que coisa, os bancos a falirem? Aqui há tempos, estas coisas nunca me passaram pela cabeça, como nunca me passou pela cabeça que a crise americana não atingisse Portugal, como certos “espertes” à portuguesa chegaram a afirmar. Que coisa. São entendedores de economia que afirmam coisas destas?
Fazem-me lembrar, nas alturas de grandes catástrofes, os que difundem notícias (as primeiras), nunca dão conta de vítimas, depois, as seguintes, dizem que há pouco mais de uma centena e, mais tarde, ficamos a saber que são muitos milhares de mortos...
Hoje, em que escrevo este artigo, uma senhora, tida como vidente. desapareceu numa praia de Ovar, levada por uma onda para o gigante mar, onde acabou por falecer. Estava a fazer um ritual para afastar maus-olhados, não contando que ela própria estava a ser vítima de mau-olhado ou de bruxaria segunda a sua própria crença de vidente. É evidente que a sua vidência não funcionou, senão não seria vítima da sua própria negligência. Até os avisos sobrenaturais estão em crise.

“ Sob uma sombra verde, com um pouco de pão, vinho, o livro de um poeta e tu cantando a meu lado no deserto, o deserto seria um paraíso!”. – Omar Khayyam.

“ A liberdade costuma andar vestida de farrapos; mas apesar disso é muito bela, mais bela do que todas as libras de ouro e prata.” – Madame Necker.

As notícias estão igualmente a mudar. Quem apregoa que daqui algum tempo pode empregar quinhentas pessoas, torna-se motivo de grandes e destacáveis notícias, quase nada sendo referindo nos medias em relação às empresas que despedem mais de um milhar, de cada vez…
Quando não há notícias de crimes, é uma chatice dentro das “redacções”, que leva a exclamações do género: “ hoje ninguém mata ninguém”. Todos, querem mostrem ou não, são sanguinários e se algum cientista descobre algo bom para a humanidade, pouco interessa para quem vende notícias…

FRACASSO

FRACASSO

Certamente que ninguém quer fracassar, ninguém deseja estar na mó de baixo, mas toda a gente sofre as influências exteriores, do mundo onde está inserido e do meio que o rodeia. Contrariar estas tendências é, no mínimo, um acto de coragem que assenta essencialmente em combater essas pressões que, muitas vezes, são produzidas pelos manipuladores sociais. Muitas vezes, essas influências, são registadas na infância ou mesmo na idade pré-natal, a nível inconsciente. São os acontecimentos, essencialmente negativos, que condicionam comportamentos, na maior parte das vezes, para toda a vida. Agem sem saber as origens desse condicionamento e, tanto pode levar a glórias como a fracassos.

Mas o que é o fracasso?
“O fracasso não significa que sou um fracassado; significa que não venci.O fracasso não significa que não consegui nada; significa que aprendi alguma coisa.O fracasso não significa que sou uma pessoa sem rumo; significa que tive fé suficiente para experimentar.O fracasso não significa que sou um sujeito sem sorte; significa que tive a coragem de tentar.O fracasso não significa a ausência de métodos; significa que os tenho de uma maneira diferente.O fracasso não significa que sou inferior; significa que não sou perfeito.O fracasso não significa que desperdicei o meu tempo; significa que tenho que recomeçar.O fracasso não significa que devo dar-me por vencido; significa que devo agir com maior perseverança.O fracasso não significa que nunca atingirei meus objectivos; significa que necessito corrigir as minhas rotas.O fracasso não significa que Deus me abandonou; significa que ele tem um projecto melhor para mim!” – Pensamento de Miguel Arcanjo.

Este depoimento será, de certa forma, uma forma positiva de encarar o fracasso, sendo igualmente verdade que é nos acontecimentos negativos que podemos despertar para nos direccionarmos no positivismo. Se não existir o mal, não podemos saber o que é o bem, embora tudo isto pode ser considerado relativo.
Fracasso, faz parte de um sentimento derrotista, de quem procurou chegar á meta e não conseguiu atingir os objectivos. Contudo, ele também se torna um condimento da vitória. Os ganhadores, devem esse mérito aos que fracassam, razão pela qual poder-lhes ser atribuído o mérito de fazerem parte dos que os venceram. As coisas, em si mesmas, nunca são fracassos, até mesmo quem se retira ou não enfrenta, não pode ser considerado fracassado. Pode fazer parte de uma estratégia, ou para evitar um mal maior ou até para evitar a ideia de derrotismo.
Por outro lado, quem acredita que está no grupo dos fracassados é derrotado ou não consegue atingir os propósitos, porque se derrotou antes de lutar por uma qualquer vitória.
“ Cada fracasso dá ao homem uma lição que ele precisava de aprender”. – Charles Dickens.
“ Se fores homem, ergue os olhos para admirar os que empreenderam grandes feitos mesmo que tenham fracassado”. – William Shakespeare.
O dicionário está cheio de fracassos: de governos, de sistemas económicos, de religiões, de humanidade, de medicina, de sistema judicial, de donos de empresas e do resto, que é bastante….